Buscar
  • Defesa Civil de Niterói

Defesa Civil de Niterói participa de novo projeto de educação nas escolas



A Secretaria Municipal de Defesa Civil e Geotecnia de Niterói fechou a sua segunda parceria com a Secretaria Municipal de Educação e começou a oferecer cursos extracurriculares aos alunos da rede municipal, como complemento para a formação integral de cidadãos. A parceria integra o Programa Cidade Educadora, lançado no final do mês de setembro. O objetivo é convidar a sociedade para participar do processo de construção do conhecimento das crianças e jovens da cidade.


O Cidade Educadora tem como foco transformar toda a cidade de Niterói em um ambiente educador, aproveitando os espaços públicos, valorizando o aprendizado vivencial e a formação de valores e trabalhando a escola como espaço comunitário e de afirmação do direito à cidade. De acordo com o secretário municipal de Defesa Civil, tenente coronel Walace Medeiros, é uma iniciativa que dialoga com o trabalho realizado desde 2014 no projeto Defesa Civil nas Escolas.


"No programa de aulas tratamos sobre percepção de riscos de desastres, suporte básico de vida, prevenção de acidentes domésticos e escolares e rota de fuga. Proporcionamos também uma visita técnica à sede da Defesa Civil e no último encontro é realizado um simulado de evacuação na escola junto aos alunos. Nos últimos anos, o Defesa Civil nas Escolas capacitou 2.481 alunos em 67 turmas de 21 escolas municipais", detalhou.


O Programa Cidade Educadora oferece a possibilidade de especialistas compartilharem com os alunos da rede pública de ensino uma diversidade de informações e de conhecimento, ampliando as possibilidades de relações entre o que é aprendido nos componentes curriculares e a prática em ações diversas por toda a cidade, segundo a coordenadora de Educação em Sustentabilidade da Secretaria Municipal de Educação de Niterói, Juliana Martins.


“A Cidade Educadora oportuniza aos alunos outros tipos de conhecimentos, garante o direito à cidade e faz com que esta seja percebida e vivida como um organismo vivo e funcional”, explicou Juliana, que também é Doutora em Ensino de Geografia e Meio Ambiente.

35 visualizações0 comentário